Grandes Obras em Dubai

Grandes obras em Dubai

 A cidade de Dubai, localizada no Oriente Médio, é conhecida mundialmente por conta de sua Engenharia revolucionária que encanta e impressiona todos que passam por lá. As mega-construções, que contemplam edifícios de elevada altitude e prédios com formas fora do comum, dão um visual único para a cidade, a qual são alvo de grandes investimentos dos Sheik’s e dos empresários mais ricos do planeta. Sendo assim, reunimos algumas informações para você conhecer essas grandes obras:

De onde provém a capital para tais empreendimentos?

A dinâmica econômica dos países do Oriente Médio gira em torno do ouro-negro, o petróleo. Como bem sabemos, o petróleo é fundamental no funcionamento de toda e qualquer atividade industrial, servindo como matéria-prima de diversos produtos e como combustível para a grande maioria dos veículos. Dessa forma, ressalta-se a localização privilegiada dos países do Oriente-Médio, banhados por uma grande concentração de jazidas de petróleo. Portanto, é a força da exportação/venda desse recurso que determinará o andamento da economia desses países. Diante desse cenário, e com um olhar visionário para o futuro (visto que o petróleo é um bem finito), Dubai surge como uma ideia revolucionária para solucionar a dependência desse recurso e solidificar a riqueza do Oriente-Médio.

A Engenharia de ponta, a tecnologia aplicada em patamares que nunca se viu antes e as inovações nas atrações turísticas em Dubai, provém do capital petrolífero e tornou-a  conhecida como a cidade do futuro. Assim, o turismo à região tornou-se outra variável essencial e que não deixará a economia dos Emirados Unidos morrer quando o petróleo acabar.

Ilhas Artificiais – Palms Islands

No litoral da cidade de Dubai encontram-se as maiores ilhas artificiais do Globo. Há um arquipélago  formado por três ilhas artificiais em forma de palmeiras, a Palm Jumeirah, a Palm Jebel Ali e a Palm Deira. Tais Ilhas podem ser visualizadas à grandes distâncias, inclusive são visíveis à elevada altitude no trajeto dos aviões que chegam ao aeroporto da cidade. As ilhas funcionam como uma espécie de condomínio particular, com casas e edifícios de luxo.

As ilhas artificiais de Dubai foram uma das mega construções feitas com o objetivo de triplicar o turismo da região, de 5 milhões a 15 milhões, visto que a pequena extensão territorial do país era um obstáculo.

Em 2001 começaram-se as obras para a construção da primeira ilha do arquipélago, a Palm Jumeirah, a qual aumentou a costa de Dubai em 56 Km, ficando assim com 128 Km em 2006.

Dragas retiram a areia marinha dos pavimentos do Golfo Pérsico e Golfo Árabe e depositaram em camadas, para a criação da estrutura da ilha, até atingir a altura ideal. Cada coordenada foi calculada precisamente para que o jato de areia das dragas atingisse o local correto. Depois, por cima da areia, foram colocadas uma camada de pedras e duas camadas de rochas grandes para que a estrutura fosse protegida e solidificada. 

As ilhas tiveram de ser compactadas para evitar o fenômeno da liquefação que poderia destruí-las por completo caso a região fosse atingida por um terremoto. Os solos foram perfurados por mais de 200 mil buracos com sondas que liberaram ar e água em alta pressão no solo, agitando os pavimentos ao redor.

As ilhas são circundadas por quebra-mares em forma de lua crescente que diminuem o impacto das ondas. Foram levados em consideração para a construção de tais estruturas a força das ondas na região, as marés, os ventos e até mesmo os efeitos do aquecimento global. A areia dos quebra-mares foi revestida por um geotêxtil permeável que evita erosões. 

O Palm Jumeirah tem um formato de palmeira, constituída por um tronco e 17 folhas, cercada por uma ilha em forma de crescente de quase 7 milhas de extensão, que abriga um dos muitos hotéis de luxo e resorts que pontilham o arquipélago, ‘Atlantis, The Palm’.

Os viajantes podem acessar o Palm Jumeirah do continente via monotrilho, e um túnel subaquático conecta a folha mais alta ao crescente.

Mesmo com abundância de areia disponível na região, conseguir o material foi um grande desafio, visto que a areia do deserto era fina demais para o empreendimento.

A posição de cada pedra foi calculada por coordenadas de GPS, obtidas através de um satélite particular, e colocada individualmente na estrutura das ilhas por um guindaste garantindo o formato das ilhas.

Foram feitas aberturas laterais nos quebra-mares, para evitar que a água ficasse estagnada dentro das ilhas, o que permite a total circulação da água dentro das ilhas em 13 dias.

Uma curiosidade é que os calçadões que rodeiam as folhas da palmeira na Palm Jebel Ali formam as letras de um poema árabe (em árabe) com os seguintes dizeres: “Tome a sabedoria dos sábios, é preciso um homem de visão para escrever sobre a água. Nem todo mundo que monta um cavalo é um jóquei. Grandes homens sobem para desafios maiores.”

As ilhas são tão grandes que podem ser vistas do espaço;

Além das enormes dimensões, elas também são construídas nos mais inusitados formatos, as mais conhecidas são os arquipélagos “Palm Islands”, em formato de palmeira, e “The World”, na forma do mapa-múndi.

Muitos engenheiros julgavam o projeto impossível, já que a construção estava exposta à ação dos ventos e da água do mar, sofrendo processos de erosão diariamente.  Outro obstáculo foi a utilização de materiais exclusivamente naturais, nada de cimento ou aço, apenas areia e rochas, tornando a estrutura das ilhas ainda mais frágil.

As pesquisas concluíram que o Golfo Pérsico é o lugar perfeito para tal empreendimento já que sua pouca profundidade e largura não permitem a formação de grandes ondas mas, por precaução o quebra-mar foi construído 3 metros acima do nível do mar.

Burj Khalifa

Prédio alto com fundo de outros prédios e tarde ensolarada

O Burj Khalifa é atualmente o maior prédio do mundo medindo 828 metros. Esse arranha céu de 163 andares faz parte do complexo “Downtown Burj Dubai”, sua construção iniciou no dia 21 de setembro de 2004 e o edifício foi inaugurado no dia 04 de janeiro de 2010. A empresa americana Skidmore, Owings e Merril (SOM) foi a responsável pelos projetos de engenharia e arquitetura, e o arquiteto do edifício é Adrian Smith.

Para sua construção, foram necessário de 12 mil operários, 330.000 m³ de concreto, 39.000 toneladas  de vergalhões de aço e um orçamento de US$ 1,5 bilhões. Em sua fundação, foram utilizados 45.000m³ de concreto de alta densidade e baixa permeabilidade para revestir os 192 pilares de até 50 metros de profundidade, levando 1.325 dias para a conclusão.

Sua estrutura é composta de concreto, aço e vidros. Os vidros, precisam ser rígidos para resistirem a tempestades de chuva e de areia e para isso foram testados com turbinas de avião. Já as juntas precisam ser flexíveis para suportar os efeitos da dilatação devido às grandes variações térmicas da região.

Relativamente ao volume da obra, o arranha-céu possuía prazos curtos para a sua conclusão. Para garantir a agilidade necessária foi adotado o sistema de formas deslizantes. Essa técnica consiste na montagem das estruturas na parte de baixo do prédio, e com auxílio de guindastes cangurus, é realizado o içamento até as formas deslizantes para o preenchimento com concreto. O concreto era bombeado, e possuía uma alta resistência, de até 80Mpa. Após isso, pistões hidráulicos levam a estrutura até o próximo andar.

Entretanto o reinado do Burj Khalifa como estrutura mais alta do mundo está prestes a acabar. A empresa Emaar Properties que também foi responsável investimento deste prédio, está construindo a The Tower at Dubai Creek Harbour, ainda sem altura divulgada. O novo edifício, está sendo construído para a exposição de negócios que ocorreria em 2020 mas devido a epidemia do coronavírus, sua inauguração foi adiada para 2021. 

 

Cayan Tower

Conjunto de prédios altos

    Localizado nos Emirados Árabes, o edifício Cayan Tower é apenas mais um dos impressionantes Arranha-céus que fazem parte do panorama visual único da cidade de Dubai. Com 330 metros de altura, distribuídos em 80 andares, a construção destaca-se por sua arquitetura única e imponente. O prédio apresenta um estilo de design deslumbrante e nada comum em prédios ordinários.

Os Engenheiros foram desafiados a construir um arranha-céu com uma rotação completa de 90 graus. Para isso, foi necessário que a cada novo pavimento, conforme aumenta-se os andares, fosse girados 1,2 graus em relação ao pavimento anterior. O resultado é o formato retorcido único e incrível que a Torre apresenta, ganhando grande contemplação e destaque.

O arranha-céu se localiza em Dubai Marina, uma região nobre da cidade, na qual se encontram os prédios mais valorizados da metrópole. O edifício foi construído em forma hexagonal, para que todos os apartamentos tivessem uma visão panorâmica para o mar.

Todas as fases do projeto foram lideradas pela Empreiteira Americana Skidmore, Owings and Merril (SOM).  Desde as fases de projeto até a de construção, foram investidos cerca de R$ 600 milhões no empreendimento. O valor é altíssimo, por conta da arquitetura ousada, que exige uma engenharia com alto grau de complexidade. Como consequência, durante a fase de construção, ocorreu um acidente que inundou um canteiro de obras. Diante disso, a construção contou com um atraso de dois anos para ser finalizada e o projeto foi se adaptando, de modo que foi concluído com 13 andares a menos em relação ao projeto original.

Aeroporto Internacional de Dubai

Aeroporto com arquitetura tecnológica

A cidade de Dubai tornou-se famosa no mundo todo, devido a suas construções grandiosas e seus empreendimentos luxuosos, envolvendo grande capital. Seguindo esse mesmo padrão, o aeroporto da cidade encanta passageiros do mundo inteiro, que logo ao chegar na cidade se deparam com um dos maiores aeroportos do mundo. Vale lembrar que o aeroporto de Dubai é o mais importante do Oriente Médio e é o 3º do mundo quando se fala no número de fluxo de passageiros.

Várias são as particularidades na Engenharia do aeroporto que chamam a atenção dos turistas. Dentre elas, é destacável o formato único dos saguões que integram o complexo. Os saguões são parecidos com casulos gigantes, com 900m de comprimento, 30m de altura e 9m de largura. Assim, para a cobertura dos telhados, foi necessário que 120.000 peças de telha fossem projetadas e importadas da Suíça, para serem implantadas em 60.000 posições diferentes. Além dos números astronômicos, o material do telhado é altamente resistente, e conta com uma superfície completamente lisa.

O Aeroporto, desde as fases de projeto, apresentava como proposta funcionalidade e otimização de processos, aliada a tecnologia e arquitetura. Por isso, as esteiras rolantes de bagagem contam com 90 km de extensão. Vale lembrar também dos imponentes pilares de sustentação que fazem parte da estrutura do aeroporto. Os pilares além de serem grandiosos em sua tarefa de sustentar, ainda complementam com um belo visual no aeroporto. Vários dos principais pilares são trabalhados esteticamente no estilo Clássico-Dórico.

Em Dubai, as construções não param. Mesmo com toda a elegância e grandiosidade do Aeroporto Internacional de Dubai, está em construção um novo aeroporto na cidade, o Dubai Central World Airport, que promete ser o maior do mundo em área construída. 

Com isso fica evidente que essa cidade, com suas grandes obras, teve um grande impacto para o desenvolvimento da Engenharia Civil. Assim como ela, muitas outras também tiveram grande relevância. Para saber sobre mais grandes construções, fique atento para os próximos blogs.

× Como posso te ajudar?